quarta-feira, 27 de junho de 2012

Promoção no Twitter - REVISTA III

Concorra ao livro "Sangue Quente" de Isaac Marion


Para concorrer é necessário seguir a Revista III (@revistaiii), curtir a página no facebook(https://www.facebook.com/RevistaIII), copiar o texto destacado  abaixo e postar em seu perfil do twitter!


Estou concorrendo ao Livro "Sangue Quente" que a @revistaiii vai sortear. Saiba como concorrer emhttp://bit.ly/MUNVUL


Observação: Só serão efetivados os participantes que curtirem a página no facebook, seguirem a Revista III no Twitter e postarem o link exatamente igual.

O resultado sai dia 19 de julho, quinta-feira.


Regras da promoção:
- Não serão aceitos perfis somente de promoções.
- Os ganhadores terão até 2 dia para entrar em contato e enviar seu endereço completo e correto para o email revistaiii_cultura@hotmail.com . Se não entrarem em contato nesse período será automaticamente sorteado outro ganhador.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

"QUOTIDIANO" - CENA #1

Por: 
Ariana Silva
Camila Barbosa
Horn Lima



Na próxima semana postaremos mais. Esperamos que gostem!!!








SANTA ISABEL - PROJETO: UM OUTRO OLHAR DO “PARAISO” - PARTE 2

Olá, pessoal. Dando continuidade ao nosso projeto, aqui estão mais três fotos.
Estas foram tiradas no Bairro do Jardim Eldorado (Santa Isabel - SP).

Foto: Ariana Silva

Foto: Ariana Silva

Foto: Ariana Silva

Na próxima semana postaremos mais três fotos. Esperamos que gostem!!!

quinta-feira, 21 de junho de 2012

CINESUL 2012 - PROGRAMAÇÃO DO FIM DE SEMANA

O espanhol “El Artifico” e o cubano “Habanastation” são destaques no Cinesul 2012 neste fim de semana
SERÃO EXIBIDOS 64 FILMES ENTRE LONGAS, MÉDIOS E CURTAS-METRAGENS NO CCBB E NOS CORREIOS
Cinesul 2012 – 19° Festival Ibero-Americano de Cinema e Vídeo – chega ao seu segundo fim de semana com uma programação variada com filmes na mostraCompetitiva (longas de ficção e documentário, curtas e médias de ficção e documentário),Palcos e TelasBossas MusicaisCinesul Criança Viagens e Fronteiras.  Serão 64 filmes de vários países exibidos no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) e no Centro Cultural Correios (CBB).  O festival começou dia 12 de junho e vai até 1º de julho noRio de Janeiro. No CCBB segue até domingo, 24, e CCC até 1º de julho.  A entrada é franca e o evento patrocinado pelo Banco do Brasil e pelos Correios.
O destaque da sexta-feira, dia 22, é o espanhol “El Artificio” que passa no Centro Cultural nos Correios às 17h. Dirigido por José Enrique March, o filme conta a história de um antigo diretor de cinema fracassado que começa a enlouquecer. Pouco a pouco, seus próprios fantasmas e as lembranças das personagens de seus filmes apoderam-se de sua lucidez e integram-se à sua vida cotidiana.
No sábado, 23, o cubano “Habanastation” será exibido às 17h no Centro Cultural dos Correios. O longa, dirigido por Ian Padrón e com a atriz Blanca Rosa Blanco no elenco, mostra como duas crianças de uma mesma escola, mas que têm vidas muito diferentes, passam um dia inteiro juntas e decidem  confrontar suas realidades e sonhos.
Domingo, dia 24, é último dia de festival no CCBB (continua nos Correios até 1º de julho), a programação oferece ótimas opções de curtas e longas-metragens. Às 16h,“Anamaria – a mulher de branco de Ipanema” abre a sessão de curtas da mostra “Bossas Musicais” com a história de Anamaria Teixeira de Carvalho, personagem folclórica das ruas de Ipanema, filha do famoso radialista Luiz de Carvalho e casada com o cantor Marcos Valle. Através de conversas e depoimentos de amigos e artistas, o filme mostra como ela ajudou a divulgar a bossa nova brasileira do exterior. Mais tarde, às 17h nos Correios, o venezuelano “La Hora Cero” chega às telas. Do diretor Diego Velasco, o filme é baseado na crua realidade de Caracas e transcorre durante as 24 horas de uma greve médica em 1996. Narra a história de La Parca, um matador que invade uma clínica privada para salvar o amor de sua vida. O que parecia um plano perfeito acabará num frenético desenlace em que La Parca se verá obrigado a enfrentar os erros do passado e a descobrir onde estão seus piores inimigos.
Abaixo a programação completa do fim de semana:
Sexta-feira, 22 de junho
CCBB Cinema 2
14h - PT • Nenhuma fórmula para a contemporânea visão do mundo •
82 min.
16h - VS 6 • Realejo • Mujeres del tirano (LI) • L • El rey del pueblo (LP) •
Na trilha do caboclo • 95 min.
18h - VS 11 • Memoriam • O cão • Ribeirinhos do asfalto • Mi compañero
(LI) • Océano sólido (LE) • 97 min.
20h - VS 5 • Deus • Momentos (SD) • Incêndio • Jus • Diálogos • 92 min.
Correios Vídeo
13h - VF • Amanar tamasheq (LE) • Lecciones para Zafirah (LI) • 90 min.
15h - BM • Terno, bola, vassoura e viola • Fez a barba e o choro • O
liberdade • 99 min.
17h - LF • El artificio • 87 min.
19h - LD • Iván - de volta para o passado • 109 min.
Sábado, 23 de junho
CCCBB Cinema 1
14h - CC • Hoy no se hace pastel de chucho • A grande viagem • Banjo e
viola • O macaco e o rabo • Os sustentáveis • Cor...o, lida • Tentáculos •
A garça Graça • 62 min.
CCBB Cinema 2
14h - BM • A caminho da estrela • Eco do sapucay• 92 min.
16h - PT • Mamulengos • Truks • 92 min.
18h - VS 7 • Destimação • Les bessones del carrer de ponent (SD) • Hidro
(LE) • Los intrusos (SD) • Lindeiras • Enraizados • 98 min.
20h - VS 9 • Reality 2.0 (LI) • O Brasil de Pero Vaz Caminha • La última
secuencia (LI) • Lápis de cor • Luciano (LI) • Coco de improviso e a poesia solta no vento • 94 min.
Correios Vídeo
13h - VF • Nikkei (LE) • 80 min.
15h - LD • Los ojos de la guerra • 97 min.
17h - LF • Habanastation • 95 min.
19h - LD • Las carpetas • 75 min.
Domingo, 24 de junho
CCBB Cinema 1
14h - CC • Hoy no se hace pastel de chucho • A grande viagem • Banjo e
viola • O macaco e o rabo • Os sustentáveis • Cor...o, lida • Tentáculos 
A garça Graça • 62 min.
CCBB Cinema 2
14h - PT • Jmb, o famigerado • 105 min.
16h - BM • Anamaria - a mulher de branco de Ipanema • Argus
Montenegro e a instabilidade do tempo forte • 96 min.
18h - BM • Que nem gato e rato • A nave • 96 min.
20h - PT • Três atos • Cuba libre • 93 min.
Correios Vídeo
13h - VF • Exilados (LP) • 86 min.
15h - LD • Torino • 95 min.
17h - LF • La hora cero • 100 min.
19h - LD • La plaza • 84 min.
Local:
CCBB – Rua Primeiro de Março, 66 - Centro
Centro Cultural Correios (CCC) - Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro

Fonte: Paula Pizzi/ CCBB

quarta-feira, 20 de junho de 2012

"Totalmente Inocentes"

‘Totalmente Inocentes’ apresenta seus principais personagens através de cartazes divulgados nas redes sociais.


Antes de conferir a estreia dos atores na telona no dia 7 de setembro, o público já pode conhecer melhor os personagens do filme “Totalmente Inocentes” através das redes sociais. A página do longa no Facebook divulga cartazes apresentando o elenco principal da história: Do Morro (Fábio Porchat), Diaba Loura (Kiko Mascarenhas), Gildinha (Mariana Rios), Vanderlei (Fabio Assunção), Nervoso (Fabio Lago), Tranquilo (Leandro Firmino), Raquel (Ingrid Guimarães) e Felipe Neto.

O filme é a primeira produção nacional a satirizar o universo dos favela movies. Na comédia, a comunidade do DDC está em guerra. O branquelo Do Morro (Fábio Porchat) e o travesti Diaba Loira (Kiko Mascarenhas) disputam o poder na favela. Alheio a isso, Da Fé (Lucas D' Jesus) acredita que precisa se tornar o chefe do morro para conquistar o amor de Gildinha (Mariana Rios), sua musa. Tudo piora quando o atrapalhado repórter Vanderlei (Fabio Assunção) forja uma capa da revista Taras e Tiros que vai dar o que falar. A trama traz ainda Felipe Neto como um narrador em intervenções pontuais.
O elenco conta com outros nomes de peso como Fábio Lago, Leandro Firmino e Álamo Facó, além de participações especiais de Ingrid Guimarães, Felipe Neto, Vivianne Pasmanter e Di Ferrero, vocalista da banda NX Zero. O trio de jovens protagonistas (Lucas D´Jesus, Gleison Silva e Carlos Evandro, que vivem Da Fé, Bracinho e Torrado, respectivamente) foi escolhido após centenas de testes.
“Totalmente Inocentes” é uma produção da Atitude Produções e Migdal Filmes, em coprodução com a Globo Filmes, Paris Filmes e RioFilme, e distribuição da Paris Filmes e RioFilme.




Fonte: Paula Pizzi
Fotos: Divulgação

terça-feira, 19 de junho de 2012

FILMES NACIONAIS

Como hoje é considerado o Dia do Cinema Nacional, nós fizemos uma lista com os melhores filmes nacionais que já vimos.
Sabemos que muita gente não gosta de filmes brasileiros (confesso que alguns são verdadeiros desperdícios de tempo e dinheiro, assim como muitos filmes hollywoodianos) mas, existem exceções que são de tirar o chapéu.
Confira:

1 - O CHEIRO DO RALO













2 - BICHO DE SETE CABEÇAS 











3 - HOUVE UMA VEZ DOIS VERÕES












4 - ABRIL DESPEDAÇADO











5 - NATIMORTO 











6 - AMARELO MANGA











7 - O PALHAÇO











8 - O AUTO DA COMPADECIDA 











9 - ANTES QUE O MUNDO ACABE











10 - HISTÓRIAS DE AMOR DURAM APENAS 90 MINUTOS











Obs: Lista perfeita pra quem gosta de filmes dublados! rs (brincadeira!!!) 

REVISTA III - PAPÉIS ESTRANGEIROS: GRAVURAS DA COLEÇÃO MASP



Até 28 de outubro de 2012, domingo, no MASP.

Mestres da gravura internacional estão em
mostra inédita com mais de 90 obras do  acervo do Masp

Uma seleção com mais de 90 obras de mestres em diferentes técnicas da arte da gravura estão em exibição no MASP desde o dia 15 de junho. Papéis estrangeiros: gravuras da coleção MASP traz obras do espanhol Goya, do alemão Dürer, dos holandeses Rembrant, Jan van Vliet e Lucas van Leiden, do argentino Leon Ferrari, entre outros pintores e ourives. Com curadoria de Teixeira Coelho e Denis Molino, a exposição fica em cartaz até 28 de outubro no segundo andar do museu.

Esta exposição é a sequência de outra, dedicada aos papéis brasileiros da Coleção MASP, também no campo da gravura, em 2011, e marca uma atenção do museu para com esta arte, expressa em exposições como as séries completas de Goya (2007); Desenhos espanhóis do Século 20 (2008); Primeiro Expressionismo alemão (2008); O mundo mágico de Marc Chagall (2010) e Uma semana de bondade, de Max Ernst, apontada pela APCA como a Melhor Exposição Internacional de 2010.

Papéis estrangeiros: gravura - Coleção MASP (Por Teixeira Coelho, curador)

A impressão de uma imagem sobre placa de barro, pedaço de papel ou tecido foi um dos primeiros recursos de expressão e informação estética --  senão de massa, pelo menos do maior número possível. Foi pela gravura, como pelo desenho, que, antes da fotografia,  se tomava conhecimento de alguma notável obra de arquitetura, alguma comentada pintura ou paisagem insólita. E, depois do desenho, foi pela gravura que os artistas puderam expressar-se sem as restrições dos meios mais caros como a pintura. Esta, quando surgiu, revelou-se espetacular, pelas cores e pelo acabamento. Contudo, a gravura manteve seu prestígio junto aos artistas pela liberdade de expressão que permitia, a maior depois do desenho, e pelas possibilidades de experimentação (com os novos recursos da lito, água-tinta, serigrafia etc).

O MASP tem em sua coleção exemplos notáveis de gravuras, da tradição oriental à modernidade ocidental. A informação histórica está presente nessas peças; mais do que isso, porém, marcam-nas a emoção estética do belo exterior ou do estado de espírito interior, desde uma tradicional gravação a buril em papel, do século XVI, a uma atualíssima colagem de xerox. Um universo de narrativas do mundo e da vida está presente nesta segunda exposição de uma série dedicada à arte em papel, atual como sempre.  


MASP - Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand
Av. Paulista, 1578. Acesso a deficientes. Horários: De 3ªs a domingos e feriados, das 11h às 18h. Às 5ªs: das 11h às 20h. A bilheteria fecha meia hora antes. Ingresso: R$ 15,00. Estudante: R$ 7,00. Até 10 anos e acima de 60 anos. Às 3ªs feiras: acesso gratuito.
Informações ao público: www.masp.art.br Twitter: http://twitter.com/maspmuseu|Tel.: (11) 3251.5644

Fone: (11) 3812.2780 / 8469.0176/ 9191.2625

Fonte: MASP - Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand

SANTA ISABEL - PROJETO: UM OUTRO OLHAR DO “PARAISO”

Nós da Revista III convidamos vocês a perceberem Santa Isabel de um jeito novo.
Através dessa série postaremos, toda semana, fotos de diferentes pontos da cidade e seus detalhes que muitas vezes passam despercebidos.
Esperamos que gostem.


"Descanso" - Marginal (Por Horn)

Bairro da Torre (Por Horn)


"Trabalhando" - Rua Ver.Sebastião Claudiano (Por Horn)

Semana que vem tem mais!

Curta nossa página no facebook: https://www.facebook.com/RevistaIII
twitter: https://twitter.com/revistaiii


*Fotos tiradas em Santa Isabel - SP

quarta-feira, 13 de junho de 2012

TIRO NO PÉ – REMAKES E SEQUÊNCIAS DE MATAR...

... DE ÓDIO



Agora que a criatividade em Hollywood acabou, o que nos resta é ver um monte de remakes e continuações desnecessárias que entopem as prateleiras das locadoras e salas de cinema.
Coisas tão ruins, que só trazem um pensamento: Por que eu não fiquei na minha?
No entanto, apesar de ser uma lição dolorida, devemos sempre ver o lado positivo disso, afinal, você poderia estar roubando, matando, mas está apenas, sentado no sofá assistindo um filme ruim. E o que seria dos críticos de cinema e metidos a sabidos, como eu, se não existissem produções de todos os tipos?
Aqui vai uma lista de dez filmes, que pra mim, foram um tiro no pé:


1 – Psicose - (Versão de 1998 – Só posso dizer isso: Gus Van Sant, se não tinha nada melhor pra fazer, por que não ficou quieto no seu canto? E continue nos filmes de comédia, Vince Vaughn. Obs: é claro que eu senti medo desse filme, mas só por que ele é ruim demais!)











2 – Se Beber não Case 2 -  (Eu realmente não entendo. Se o primeiro foi tudo de bom, pra que estragar tudo com uma continuação desnecessária? Isso sem falar no 3º, que vem por ai).











3 – Quarentena - (Esse filme mostra que os americanos não fazem só coisas ruins, eles conseguem pegar o que é dos outros e foder também!!!)











4 - Corrida Mortal 2 - (Uma merda, com atores que ninguém conhece, ou quer conhecer)











5 – Todos os filmes da saga Crepúsculo - (Ninguém merece, não é?!)











6 - Olha Quem Está Falando Também (1990) e Olha Quem Está Falando Agora (1993) - (Se lançassem mais um, eu diria: Fod@-se quem está falando, chega dessa merda!!!)

 











7 – Fúria de Titãs 2 – (É melhor nem comentar)











8 – Esqueceram de Mim 2, 3, 4 ...(E por que será, né?  - Que os deuses não permitam um 5º filme)











9 – Se eu Fosse Você 2 – (Teria arrumado algo melhor pra fazer. Eita filminho chato!!!)











10 – Todas as sequências de Entrando Numa Fria – (Como que eles conseguem investir dinheiro e tempo em filmes tão ridículos? E o pior: Como é que pode os atores continuarem topando essas sequências infindáveis e sem sentido?).











Semana que vem tem mais, pessoal!

Curta REVISTA III no facebook: https://www.facebook.com/RevistaIII

terça-feira, 5 de junho de 2012

“O Pequeno Príncipe” - Um livro infantil para adultos que não conseguem ver.

Por Amanda Galdino

Como já é dito no próprio livro: ‘As pessoas grandes não compreendem nada sozinhas, e é muito cansativo, para as crianças, estar a toda hora explicando. ’
O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry, passou de obra literária para referência mundial. Milhares de pessoas de todas as partes encantaram-se, encantam-se e irão se encantar cada vez mais com a história do maravilhoso Principezinho que saiu de seu planeta e viajou por tantos lugares interessantes até chegar a Terra.
No intuito de mostrar o que realmente importa na vida, mesmo deixando subentendido e a critério de interpretação pessoal muito do conteúdo, Exupéry usa de linguagem simples e direta em seu texto.
A análise comportamental que o autor expõe, através de tiradas inteligentes comparando o processo interpretativo entre uma criança e um adulto é um dos pontos altos da obra, além da inegável crítica existente sobre o ponto de vista de um indivíduo diante do que ele acredita ser ou não a forma correta de padrão de vida.
Entre os seis planetas que fazem parte do trajeto do Pequeno Príncipe, até este finalmente chegar a Terra, podemos notar que o autor faz referências aos humanos (seres terrestres) como um todo, exibindo um pensamento onde nos leva a crer que toda vida dentro do Universo é feita da mesma maneira, com os mesmos defeitos e qualidades.
Exibindo pontos de vista científicos, políticos, sociais e culturais, Exupéry nos dá um parâmetro do que a humanidade tem de melhor e de pior. Assim, ele nos leva de volta às grandes questões filosóficas, nos fazendo indagar através da linha de pensamento do: “Quem somos? De onde viemos? Para onde vamos? Porque estamos aqui?”
Expondo os sentimentos em toda a sua amplitude com brilhantes metáforas e personagens altamente cativantes, o livro toma o leitor pelas mãos e o segura até a última página, por vezes arrancando suspiros, lágrimas e momentos de reflexão.
Com um mundo de filosofia por detrás do que está escrito, O Pequeno Príncipe é um livro para adultos, visto que no sentido racional, é mais provável que devido a seu olhar analítico este consiga entender as mensagens contidas nas entrelinhas da obra.
E com a pureza contida em suas páginas, O Pequeno Príncipe também é um livro para crianças, pois estas possuem aquele essencial que é invisível aos olhos – e  nós sabemos que só se vê bem, quando se vê com o coração.




Imagem: Divulgação